2007-08-30

Sou Assim

Zita Seabra deu uma entrevista à Visão (2007-08-30) onde tinha a oportunidade de desmentir a minha presença numa "visita do PCP" a sua casa em 1988 e não desmentiu. Prefere, por orgulho, julgo eu, (o orgulho apesar de venial é um pecado) continuar a mentir.

Nesta entrevista repete passagens do seu livro como esta: "as camaradas ganhavam menos que os homens e as «amigas da casa do partido» não tinham sequer o direito de ser chamadas de camaradas." Eu estive na clandestinidade (1964 a 1974) no mesmo período que ela (1967-1974) e em todo esse período conheci para além da minha, várias casas de outros militantes clandestinos dos PCP e em todas elas as mulheres com ou sem trabalho de organização ganhavam rigorosamente o mesmo. E não passava pela cabeça de ninguém que não fossem tratadas em pé de estrita igualdade com os homens. No tratamento como "camaradas" ou qualquer outro aspecto relacionado com a sua pessoa. Concluo que frequentámos a clandestinidade em partidos diferentes.

Noutra passagem da mesma entrevista, a propósito da derrota militar sofrida pela revolução, em 25 de Novembro de 1975, Zita diz : "Se eu tenho ganho, teria sido uma tragédia. Felizmente que fomos derrotados no dia 25 de Novembro de 1975." O negrito foi colocado por mim e a afirmação ainda ficava melhor se em vez de "fomos derrotados" Zita tivesse dito "fui derrotada". Porque se já percebemos pela leitura do seu livro de memórias que o PCP era constituído essencialmente por Álvaro Cunhal e Zita Seabra não é menos verdadeiro que no 25 de Novembro estavam em confronto de um lado três quartos do país: os sectores políticos e militares da direita, do centro e de parte da esquerda (PS, "grupo dos 9", etc.) e do outro... Zita Seabra.
________________
Nota: o "eu" que sublinhei poderia ser uma expressão infeliz de quem redigiu a entrevista mas presumo que seja autêntico porque ele define o que há de mais paradigmático no livro de memórias de Zita Seabra.

2 comentários:

Anónimo disse...

e dizer que esta menina e outros rapazes, quase me convenciam a entregar a minha enxada à cuprativa...

Raimundo Narciso disse...

Bem observado. Prova que viu a reportagem sobre a Torre Bela.